Paulo Câmara diz que tem como objetivo tirar Bolsonaro da presidência: “Mais quatro anos vai ser desastre total”

1_governador_paulo_camara_durante_plano_de_retomada_em_paulista25-19304864

O governador Paulo Câmara (PSB) teceu contundentes críticas à administração federal durante entrevista ao jornalista Roberto D´Avila, do canal de TV a cabo GloboNews. Reclamando da falta de planejamento e de ações integradas com os estados por parte do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o governador disse estar conversando com todos os atores de “campos opostos à atual administração”, quando questionado sobre a convergência para a candidatura do ex-presidente Lula. 

“Temos um objetivo comum (PSB e Lula) no campo progressivo: ter em 2022 a condição de apresentar candidatura que vença o atual presidente. Mais quatro anos como o Brasil vem sendo administrado vai ser desastre total”, disparou Paulo Câmara. 

De acordo com o governador, há uma convergência para que o campo progressista sai vitorioso da eleição em 2022. “Queremos voltar a ter um Brasil administrado sob o aspecto social, da economia com pilares fortes, proteção ambiental e desenvolvimento sustentável”, afirmou.

Segundo Câmara, “avançar economicamente e reduzindo desigualdades são razões fundamentais para conversarmos com campos opostos à atual administração”.

Justamente sobre a condução econômica do País, o governador também enumerou uma série de críticas ao atual presidente. “A gente tá vendo um conjunto de atropelos. Confiança inexiste hoje e isso afeta câmbio, inflação, capacidade do investidor confiar no País. há crise de confiança em relação à economia brasileira, fruto de muito discurso e pouca prática”, disse. 

No Estado, o governador apontou como prioridade a geração de empregos, exaltando o seu programa “Retomada”, lançado no último mês de agosto e com o qual espera gerar 130 mil empregos. Para isso, no entanto, Câmara admitiu precisar decisivamente da atuação da iniciativa privada, embora mantenha o discurso de restringir a atuação em setores estratégicos.

“Alguma áreas precisam estar com o setor privado em parceria. Pernambuco tem buscado muito as PPPs (parceria público-privada). Estamos buscando ações para fazer concessões em rodovias, equipamentos de turismo e vendo também outras ações de infraestrutura que possam atrair o privado. Esse momento vai exigir isso, muto apoio do investido privado. Precisa ter confiança de que vai ter o retorno adequado para gerar emprego e renda, mas os serviços básicos o Estado tem de continuar comandando e atuando de forma decisiva”. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>